🔍Leia o artigo completo A noite de Irene (1/5)

A noite de Irene (1/5)

0 comentários 🕔11:54, 13.Set 2017

A Irene Nunca escribirei o seu nome porque nomear um segredo pode destruílo. Nunca direi onde está nin como chegar á praia dos ourizos cacho. (Séchu Sende, in Made in Galiza) Só no tempo se movem as palavras e a música; mas aquilo que vive pode morrer... Mas não a quietude do violino enquanto a nota dura, Não só isso senão a coexistência, Ou digamos que o fim precede ao começo, E o fim e o começo sempre têm estado aí, Antes do começo e trás

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Visións

Visións

0 comentários 🕔11:00, 11.Set 2017

Tocar unha estrela coas mans, unha estrela de mar, faime sentir e pensar que toco entre as ondas o ceo, que o tacto esvaradío do peixe é frío e suave como o pálido hálito da lúa. * O río, verde e revoltoso ancián, garda intacto no seu ventre de limo o segredo do peixe... E no terso espello da superficie, o rostro feito anacos do que nel se mira. * O sol álzase, pálido marmelo, envolto en dourada resurrección. Renovado froito que alimenta enxames de rubias abellas. Derramado mel, venérote. Dende o ángulo en

LEIA MAIS
Play video Entrevista a Camilo Franco

Entrevista a Camilo Franco

0 comentários 🕔10:36, 08.Set 2017

Entrevista ao escritor, crítico teatral e jornalista galego Camilo Franco, por Estela Pan. A capa do vídeo é um excerto da fotografia de De Adrián Estévez (Estevoaei) - self made, GFDL.

LEIA MAIS
Play video “Periferias” do Festival Noroeste 2017

“Periferias” do Festival Noroeste 2017

0 comentários 🕔12:10, 06.Set 2017

Este foi o resultado do nosso trabalho dentro da equipa “Periferias” (Inés Inés Pose Regueiro, Nerea Mesias Rabuñal, Jorge Lama e Alfredo Ferreiro) no atelier #NoroesteVideocamp 2017 promovido por Coruña Dixital no âmbito do Festival Noroeste Estrella Galicia. Uma honra tamanha e um prazer ter participado neste atelier comandado por Juan Lesta, Belén Montero (Esferobite) e Sergio Lago.

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista a Ugia Pedreira: “A música salvou-me desde nena”

Entrevista a Ugia Pedreira: “A música salvou-me desde nena”

0 comentários 🕔11:00, 04.Set 2017

- Palavra Comum: Qual é a tua perspectiva sobre a música e o seu vínculo com as artes e a vida? - Ugia Pedreira: A música salvou-me desde nena, voei por cima de momentos difíceis graças à senhora musa. Também foi umha forma de jogo, ainda o é. Som vinculeira e joguei muito só, mas quando tivem e tenho oportunidade som companheiros-as de jogo quem compartilham conmigo experiéncia arredor dela. Desses momentos aprendim a relacionar-me e

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

“Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

0 comentários 🕔14:31, 23.Ago 2017

        AMARQUIA Desperdiçar meu tempo contigo Abraçar-me ao teu mar na tempestade Ou na calma. Mergulhar até atravessar as areias movediças. Investigar os campos ou os desertos Os céus ou os infernos. Tornar-me etérea na Amarquia dos nossos beijos. Tua língua batendo nos meus sentidos: A dor mais bela já criada. Quinhentos fogos de néon. E mil e uma palavras cheias de tremores Atravessar a fogueira Sem ter medo. Medo Saltar a linha que separa a terra do mar. Cair na sua imensidão: Tempestade após a calma E chorar E morrer E nascer. Mudar a pele, E cortar-me

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo OM: Entrevista a Antón Lopo

OM: Entrevista a Antón Lopo

0 comentários 🕔12:10, 21.Ago 2017

1. O libro comeza cunha cita de Lao- Tse... que facer contra esa imposibilidade de atopar o Tao? Un dos principios do Tao é que o nome que pode ser dito non é o nome eterno. É unha idea básica que, dun xeito ou doutro, empapa mesmo o pensamento occidental. Agamben, por exemplo, defende que é imposible escribir poesía e iso, precisamente, fai necesario facelo. "Om" é un libro de mediados dos anos noventa do século

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Violeta apaixonada

Violeta apaixonada

0 comentários 🕔19:08, 16.Ago 2017

O Pavel conheceu a Violeta de uma maneira totalmente fortuita. Aconteceu durante um recital poético coletivo que ele organizara. Uma das participantes disse-lhe ao ouvido que outra das poetas não viria; sofrera um pequeno acidente de trânsito. Naquele preciso momento, outro dos poetas, Anton Kirchen, apresentava-lhe uma das pessoas que acudira à leitura dos poemas daqueles seis poetas, cinco argentinos e um polaco, o próprio Pavel. — Pavel, ela é Violeta — apresentaram-lhe. Assim que lhe apresentaram

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista à poeta portuguesa Marília Miranda Lopes: “entendo a Arte como processo avassalador constante que tende a provocar fendas para construir outra coisa”

Entrevista à poeta portuguesa Marília Miranda Lopes: “entendo a Arte como processo avassalador constante que tende a provocar fendas para construir outra coisa”

0 comentários 🕔09:00, 14.Ago 2017

Marília Miranda Lopes nasceu no Porto, a 22 de Maio de 1969. Formou-se em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade da cidade onde nasceu. É professora prossionalizada de Língua Portuguesa do Ensino Secundário e formadora pelo Conselho Cientíco-Pedagógico de Formação Contínua nas áreas das Didácticas Especícas e das Ocinas de Escrita - Poesia e Teatro. Foi bolseira dos Serviços de Belas Artes da Fundação Calouste Gulbenkian, ao abrigo do programa "Dramaturgia

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Arte mollando os pés”

“Arte mollando os pés”

0 comentários 🕔12:23, 12.Ago 2017

             “So, why am I an artist? I guess it’s because I take a critical position toward the world. It’s not about hope. It’s about showing my disgust with the dominant discourse. Andrea Fraser (Official Welcome) "Parábola da Abundancia” Terry Berkowitz e Francesc Torres un proxecto de instalación, vídeo, fotografía... para o Museo do Pobo Galego (MPG) 6 de xullo a 24 de setembro. Santiago de Compostela A costa máis oceánica de Galicia é o soporte físico -paisaxístico- desta exposición,

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Goma, teto e chão

Goma, teto e chão

0 comentários 🕔11:30, 09.Ago 2017

“A laje é o mirante da quebrada” Renan Inquérito. Se há um acontecimento que confirma a máxima que “periferia é periferia em qualquer lugar” é ato de encher uma laje, o teto nosso de cada dia. É como uma epopeia, encher laje tem lá seus pontos altos, dignos de entrar no rol das grandes histórias universais ou, pelo menos, das prosas de buteco e do churrasquinho no fim de semana. Aqui o herói é o “mestre de obras”,

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo As realidades oníricas de Giorgio de Chirico

As realidades oníricas de Giorgio de Chirico

0 comentários 🕔09:00, 07.Ago 2017

Ter a sorte de observar un bo mangado de creacións de Giorgio de Chirico sempre é un privilexio. Aínda que sexa para volver sentir as sensacións de desacougo, de incomodidade que a moitas persoas provocan as pinturas e esculturas do mestre da pintura metafísica. Que simboliza un manequín perdido no medio dunha praza deserta? Por que as cores son uniformes, planas? E as sombras cegadoras? Canto de surrealista teñen os xeitos de de Chirico? Lito Caramés Fondazione

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Verso livre”, por Rosalía Rodríguez

“Verso livre”, por Rosalía Rodríguez

0 comentários 🕔15:36, 02.Ago 2017

        VERSO LIVRE Uma vez sonhei alguém a me fazer rir só de olhar para mim. Um dia imaginei que andava pela rua e inventava um verso. Um dia inventei um verso e sonhei que tinha a quem dar-lho. Ele continuou andando. Vivendo. Comendo. Mas o verso era mais impaciente a cada noite. Nervoso. Dando-me pontapés na barriga. Dando-me mais e mais palavras. Como se estivesse esperando por algo que nunca chegava, Ele chutava cheio de raiva. Agora o verso está a nadar na minha barriga. De novo

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Doutrina Monroe: “América para os americanos”

Doutrina Monroe: “América para os americanos”

0 comentários 🕔17:25, 31.Jul 2017

I. TEORÍAS Das ansias imperialistas dos USA sabemos desde a súa formación como estado xa a finais do XVIII e principios do XIX, feito que continúa nos séculos XX e XXI. Os presidentes, tanto republicanos como demócratas, levan a termo políticas de seguridade internacional que desembocan en conflitos armados arredor do mundo. Revisaremos a realidade teórica desta situación que no continente americano ten unha punta de lanza. A frase coa que se resume esta doctrina é “América para os

LEIA MAIS