🔍Leia o artigo completo Vítrea casa

Vítrea casa

0 comentários 🕔13:00, 18.Set 2017

Servia para dormir, para comer, para conviver, para amar, para sonhar, mas havia nela um monstro que tinha um olho esquisito no meio da testa. Este ser sobrenatural estava destinado a habitar a casa, à qual se apoderara por configuração de terrenos. É que ele não queria ali ninguém e o edifício branco impunha-se na terra que chamava sua, com as suas formas rectilíneas, com os seus labirintos interiores, contra a sua vontade de que

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista a Brais das Hortas: “Temos un universo de propostas culturais”

Entrevista a Brais das Hortas: “Temos un universo de propostas culturais”

0 comentários 🕔10:35, 15.Set 2017

- Palavra Comum: Que são para ti as artes? - Brais das Hortas: Con retranca e cariño, para min a arte é chegar a fin de mes sendo artista e con dúas fillas. - Palavra Comum: Como entendes (e levas a cabo, no teu caso) o processo de criação artística? - Brais das Hortas: Como podo! No meu caso, non é que me retire a un lugar bucólico a esperar polas musas. Póñome a crear mentres fago a

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo A noite de Irene (1/5)

A noite de Irene (1/5)

0 comentários 🕔11:54, 13.Set 2017

A Irene Nunca escribirei o seu nome porque nomear um segredo pode destruílo. Nunca direi onde está nin como chegar á praia dos ourizos cacho. (Séchu Sende, in Made in Galiza) Só no tempo se movem as palavras e a música; mas aquilo que vive pode morrer... Mas não a quietude do violino enquanto a nota dura, Não só isso senão a coexistência, Ou digamos que o fim precede ao começo, E o fim e o começo sempre têm estado aí, Antes do começo e trás

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Visións

Visións

0 comentários 🕔11:00, 11.Set 2017

Tocar unha estrela coas mans, unha estrela de mar, faime sentir e pensar que toco entre as ondas o ceo, que o tacto esvaradío do peixe é frío e suave como o pálido hálito da lúa. * O río, verde e revoltoso ancián, garda intacto no seu ventre de limo o segredo do peixe... E no terso espello da superficie, o rostro feito anacos do que nel se mira. * O sol álzase, pálido marmelo, envolto en dourada resurrección. Renovado froito que alimenta enxames de rubias abellas. Derramado mel, venérote. Dende o ángulo en

LEIA MAIS
Play video Entrevista a Camilo Franco

Entrevista a Camilo Franco

0 comentários 🕔10:36, 08.Set 2017

Entrevista ao escritor, crítico teatral e jornalista galego Camilo Franco, por Estela Pan. A capa do vídeo é um excerto da fotografia de De Adrián Estévez (Estevoaei) - self made, GFDL.

LEIA MAIS
Play video “Periferias” do Festival Noroeste 2017

“Periferias” do Festival Noroeste 2017

0 comentários 🕔12:10, 06.Set 2017

Este foi o resultado do nosso trabalho dentro da equipa “Periferias” (Inés Inés Pose Regueiro, Nerea Mesias Rabuñal, Jorge Lama e Alfredo Ferreiro) no atelier #NoroesteVideocamp 2017 promovido por Coruña Dixital no âmbito do Festival Noroeste Estrella Galicia. Uma honra tamanha e um prazer ter participado neste atelier comandado por Juan Lesta, Belén Montero (Esferobite) e Sergio Lago.

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista a Ugia Pedreira: “A música salvou-me desde nena”

Entrevista a Ugia Pedreira: “A música salvou-me desde nena”

0 comentários 🕔11:00, 04.Set 2017

- Palavra Comum: Qual é a tua perspectiva sobre a música e o seu vínculo com as artes e a vida? - Ugia Pedreira: A música salvou-me desde nena, voei por cima de momentos difíceis graças à senhora musa. Também foi umha forma de jogo, ainda o é. Som vinculeira e joguei muito só, mas quando tivem e tenho oportunidade som companheiros-as de jogo quem compartilham conmigo experiéncia arredor dela. Desses momentos aprendim a relacionar-me e

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

“Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

0 comentários 🕔14:31, 23.Ago 2017

        AMARQUIA Desperdiçar meu tempo contigo Abraçar-me ao teu mar na tempestade Ou na calma. Mergulhar até atravessar as areias movediças. Investigar os campos ou os desertos Os céus ou os infernos. Tornar-me etérea na Amarquia dos nossos beijos. Tua língua batendo nos meus sentidos: A dor mais bela já criada. Quinhentos fogos de néon. E mil e uma palavras cheias de tremores Atravessar a fogueira Sem ter medo. Medo Saltar a linha que separa a terra do mar. Cair na sua imensidão: Tempestade após a calma E chorar E morrer E nascer. Mudar a pele, E cortar-me

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo OM: Entrevista a Antón Lopo

OM: Entrevista a Antón Lopo

0 comentários 🕔12:10, 21.Ago 2017

1. O libro comeza cunha cita de Lao- Tse... que facer contra esa imposibilidade de atopar o Tao? Un dos principios do Tao é que o nome que pode ser dito non é o nome eterno. É unha idea básica que, dun xeito ou doutro, empapa mesmo o pensamento occidental. Agamben, por exemplo, defende que é imposible escribir poesía e iso, precisamente, fai necesario facelo. "Om" é un libro de mediados dos anos noventa do século

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Violeta apaixonada

Violeta apaixonada

0 comentários 🕔19:08, 16.Ago 2017

O Pavel conheceu a Violeta de uma maneira totalmente fortuita. Aconteceu durante um recital poético coletivo que ele organizara. Uma das participantes disse-lhe ao ouvido que outra das poetas não viria; sofrera um pequeno acidente de trânsito. Naquele preciso momento, outro dos poetas, Anton Kirchen, apresentava-lhe uma das pessoas que acudira à leitura dos poemas daqueles seis poetas, cinco argentinos e um polaco, o próprio Pavel. — Pavel, ela é Violeta — apresentaram-lhe. Assim que lhe apresentaram

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista à poeta portuguesa Marília Miranda Lopes: “entendo a Arte como processo avassalador constante que tende a provocar fendas para construir outra coisa”

Entrevista à poeta portuguesa Marília Miranda Lopes: “entendo a Arte como processo avassalador constante que tende a provocar fendas para construir outra coisa”

0 comentários 🕔09:00, 14.Ago 2017

Marília Miranda Lopes nasceu no Porto, a 22 de Maio de 1969. Formou-se em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade da cidade onde nasceu. É professora prossionalizada de Língua Portuguesa do Ensino Secundário e formadora pelo Conselho Cientíco-Pedagógico de Formação Contínua nas áreas das Didácticas Especícas e das Ocinas de Escrita - Poesia e Teatro. Foi bolseira dos Serviços de Belas Artes da Fundação Calouste Gulbenkian, ao abrigo do programa "Dramaturgia

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Arte mollando os pés”

“Arte mollando os pés”

0 comentários 🕔12:23, 12.Ago 2017

             “So, why am I an artist? I guess it’s because I take a critical position toward the world. It’s not about hope. It’s about showing my disgust with the dominant discourse. Andrea Fraser (Official Welcome) "Parábola da Abundancia” Terry Berkowitz e Francesc Torres un proxecto de instalación, vídeo, fotografía... para o Museo do Pobo Galego (MPG) 6 de xullo a 24 de setembro. Santiago de Compostela A costa máis oceánica de Galicia é o soporte físico -paisaxístico- desta exposición,

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Goma, teto e chão

Goma, teto e chão

0 comentários 🕔11:30, 09.Ago 2017

“A laje é o mirante da quebrada” Renan Inquérito. Se há um acontecimento que confirma a máxima que “periferia é periferia em qualquer lugar” é ato de encher uma laje, o teto nosso de cada dia. É como uma epopeia, encher laje tem lá seus pontos altos, dignos de entrar no rol das grandes histórias universais ou, pelo menos, das prosas de buteco e do churrasquinho no fim de semana. Aqui o herói é o “mestre de obras”,

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo As realidades oníricas de Giorgio de Chirico

As realidades oníricas de Giorgio de Chirico

0 comentários 🕔09:00, 07.Ago 2017

Ter a sorte de observar un bo mangado de creacións de Giorgio de Chirico sempre é un privilexio. Aínda que sexa para volver sentir as sensacións de desacougo, de incomodidade que a moitas persoas provocan as pinturas e esculturas do mestre da pintura metafísica. Que simboliza un manequín perdido no medio dunha praza deserta? Por que as cores son uniformes, planas? E as sombras cegadoras? Canto de surrealista teñen os xeitos de de Chirico? Lito Caramés Fondazione

LEIA MAIS